Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias Roda é a palavra do Comentário Geral desta quarta
11/10/2011 - 08h00m

Roda é a palavra do Comentário Geral desta quarta

Bia Bedran e Muniz Sodré participam do programa

Roda é a palavra do Comentário Geral desta quarta


 

Iranei Barreto e Ascom/ EBC-TV Brasil

No Dia da Criança, quarta (12), às 19h30, o Comentário Geral convida os telespectadores de todas as idades para uma brincadeira de roda. A cantora, professora e contadora de histórias Bia Bedran não poderia ficar fora desta.  Ela defende a brincadeira em roda como a melhor forma de trabalhar a motricidade infantil. “Uma roda já significa em torno de. Seja uma ideia, um abraço. Você não pode dar um abraço em fila. A roda é, até simbolicamente, o encontro”. O programa é produzido pela TV Brasil e exibido em Alagoas pela TV Educativa (TVE).

Por falar em celebração em roda, a dançarina e coreógrafa Laís Bernardes mostra a ciranda mais famosa do Brasil, a de Pernambuco, onde as mulheres dos pescadores dançam para passar o tempo à espera de seus maridos. “A gente tá o tempo inteiro pensando no movimento do vai e vem das ondas do mar”, ilustra Laís.

O presidente da Fundação Biblioteca Nacional, o baiano Muniz Sodré, explica a pedagogia “diferente” da capoeira, onde o grande mestre “fazia a roda para deixar o aluno vê-lo jogar e pra, em seguida, ele poder ver o aluno aprender”. Ele afirma, ainda, que a roda “é o paraíso, o começo e o fim, nascimento e morte”.

Já o palhaço Topetão conta como surgiu o primeiro monociclo, atração presente em nove em cada dez circos no mundo. E o cantor e compositor Cláudio Jorge relembra as rodas de samba da antiga.

Para falar sobre a vida sobre duas rodas, os convidados são o empresário e ciclista Alberto Almeida, dono da Kraft Bike, o motociclista Bruno Guimarães e os atletas Ruberlandio da Silva e Heraldo Alves. Heraldo pratica o basquete sobre cadeira de rodas desde 2002 e explica que as rodas da cadeira precisam ser específicas para o esporte. A prática do basquete em cadeira de rodas teve início na década de 40 nos EUA, tendo como adeptos os ex-soldados norte-americanos feridos durante a Segunda Guerra Mundial. No Brasil, foi a primeira modalidade paraolímpica, praticada desde 1958.

Ações do documento