Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias Banda Vivendo do Ócio mostra no Estúdio Móvel que a Bahia não é feita só de axé
06/04/2011 - 12h50m

Banda Vivendo do Ócio mostra no Estúdio Móvel que a Bahia não é feita só de axé

E ainda, continuação da entrevista com Deborah Secco e Marcus Baldini sobre o filme Bruna Surfistinha.

  Banda Vivendo do Ócio mostra no Estúdio Móvel que a Bahia não é feita só de axé

Liliane Reis e Vivendo do Ócio


Iranei Barreto e Assessoria da TV Brasil


Nesta quarta-feira (6), o Vivendo do Ócio invade o Estúdio Móvel, mostrando que no Pelourinho não tem só axé. Os quatro rapazes baianos buscaram suas influências no universo indie dos Strokes e no rock dos Rolling Stones e The Doors. O curioso nome da banda foi inspirado no livro de Domenico De Masi, O Ócio Criativo. Hoje, o grupo divide um apartamento em São Paulo, mas Liliane Reis foi até a Bahia para entrevistá-los e conhecer suas raízes. O encontro foi marcado em um fusca vermelho, no plano inclinado de Salvador. O programa vai ao ar às 18h, na TV Educativa de Alagoas (TVE).


O Vivendo do Ócio já tocou para uma plateia de 10 mil pessoas em Londres, no Brazilian Day. Também estavam presentes na Virada Cultural de 2010, em São Paulo. O primeiro clipe da banda, Fora Mônica, foi filmado pelos celulares dos integrantes e liberado em partes na internet. Cada pedaço encontrado tinha uma pista para o próximo, como um jogo. A ideia revolucionária era fazer um anti-clipe.


Ainda no Estúdio Móvel, a continuação da entrevista com a dupla do filme Bruna Surfistinha, Deborah Secco e Marcus Baldini. A atriz e o diretor falam sobre o processo de produção do longa e a construção da personagem, inspirada na ex-garota de programa Raquel Pacheco. Deborah ainda conversa com Liliane Reis sobre a preparação para o papel de Natalie, na novela Insensato Coração.


No Trampo, a equipe conhece o trabalho de Rodrigo, um artista que faz intervenções urbanas. Ele mostra suas expressões na rua e em seu atelier, fala da diferença da arte feita especialmente para galerias e da arte urbana, além de contar porque começou a pintar as ruas.

 

Ações do documento